Relatório estabelecendo um limite no aumento de aluguéis em Toronto, será apresentado nesta semana.

Os preços dos aluguéis em Toronto estão cada vez mais altos e o governo vêm tomando algumas medidas ultimamente - como procurar uma nova estrutura para impedir as renovações - para garantir que o mercado permaneça razoável para os inquilinos .


A diretriz de quanto os proprietários de imóveis em Ontário podem aumentar o aluguel anualmente para os ocupantes existentes, embora aumente no próximo ano devido à inflação, é uma medida de longa data que garante que as pessoas que vivem de aluguel, não sejam prejudicadas. E a cidade agora está considerando uma regra semelhante adicional para manter as unidades acessíveis.


O diretor-executivo da Secretaria de Habitação de Toronto está apresentando nesta semana um relatório ao conselho municipal que sugere, entre outras coisas,

estabelecer um limite em quanto os proprietários podem aumentar o preço mensal de uma unidade não apenas a cada ano para os mesmos inquilinos, conforme a regra provincial, mas também entre inquilinos; um "controle de vagas" para equilibrar e controlar os valores de alugueis aplicados.


Atualmente, não há limite para colocar o preço que os proprietários bem entendem, deixando fixarem o preço de uma unidade no que eles acreditam ser justo – uma quantia que continua subindo. Para você ter uma ideia, um apartamento médio na cidade agora, custa quase US $ 2.500 por mês. .


Os proprietários certamente não ficarão satisfeitos com essa mudança, se ela realmente acontecer, pois manterá suas unidades abaixo do que podem ver como valor de mercado, especialmente porque a próxima mudança na diretriz de aumento de aluguel provincial não está a par da inflação (está subindo de 1,2 para 2,5 por cento, em vez dos 5,3 por cento que seria se seguisse as taxas de inflação atuais).


Mas como a maioria dos canadenses não consegue acompanhar o rápido aumento do custo de absolutamente tudo agora em meio a essa inflação, é crucial manter esse "valor de mercado" tão justo para as pessoas que vivem aqui - ao contrário do mercado imobiliário da cidade, que, apesar de preços caindo um pouco nas últimas semanas, ainda está ridiculamente supervalorizado e fora do alcance da maioria.